ESCOLAS INGLESAS RESSUSCITAM A LIÇÃO DE CASA

Condensado de: O Estado de São Paulo - agosto, 1998

    board_logoO governo inglês convocou um antigo aliado da escola para melhorar a qualidade do ensino: a lição de casa. Pesquisas do departamento da Educação e do Emprego indicaram que nos primeiros meses de 1998, 43% dos alunos com 10 anos de idade garantiram não terem recebido nenhuma lição ou atividade para casa de seus professores. A pesquisa confirmou que os alunos gastam muito mais tempo assistindo televisão do que fazendo lição. Cerca de 70% delas (com 10 anos de idade) ficam no mínimo três horas por dia em frente da TV.

   Pensando numa maior cobrança da escola e dos professores e incentivando os pais na supervisão, o governo inglês elaborou um guia com uma tabela de tempos recomendados para as lições de casa. A idéia é começar com os alunos de 4 e 5 anos, expandindo o tempo para os de maior idade, tentando resgatar o hábito do estudo nas novas gerações escolares. Influenciados por fracas pedagogias liberais, em moda nos últimos anos, e também pela desmotivação de muitos professores em cobrar mais atividades, os estudantes ingleses demonstram hoje pouco contato com a leitura e com atividades lógico-motoras propostas como complementares, fora da escola. O secretário da Educação e do Emprego, David Blunket, coloca que o sucesso educacional depende ''tanto da casa como da escola''. Para este projeto, ele retirou fundos da Loteria Nacional, direcionou a orientação nos centros comunitários e já conta com o apoio das associações de professores.

  Curiosamente, no início deste mesmo ano, autoridades norte-americanas também já haviam tomado decisões no mesmo sentido, orientando e treinando professores para a escolha adequada de atividades extra-classe e resgatando a supervisão dos pais em casa para que apoiem e cobrem os trabalhos dos filhos. A Universidade de Michigan investigou a superioridade do desempenho das crianças de origem asiática nas escolas americanas e indicou que um dos principais fatos relevantes para explicar essa diferença estava no fato de que a família dos alunos estimulava e acompanhava o estudo em casa, formando um hábito que se sedimentava já nos adolescentes e universitários.  

                       Tabela Mínima - sugestão de horas de estudo em casa por idade:    

idade Horas
4 a 5 anos 20 minutos ( sendo 10 min. de atividade motora)
5 a 7 anos 30 minutos ( sendo 20 min. com atividade motora)
7 a 9 anos 20 minutos de estudo mais 20 minutos de leitura
9 a 11 30 minutos de estudo mais 20 minutos de leitura
11 a 13 45 minutos de estudo mais 45 minutos de leitura
13 a 15 60 minutos de estudo mais 60 minutos de leitura
15 a 17 90 minutos de estudo mais 90 minutos de leitura

  Fonte: Depto. de Educação e do Emprego - Reino Unido

Reportagem original: Leonardo Trevisan

 



 



   
1997/2018 © Luis Fábio S. Pucci, Instituto Galileo Galilei, São Paulo, SP. 
   Twitter
Twitter Luis Fábio
 
 
   
  Site Map